sexta-feira, 28 de abril de 2017

MITO DA MUDANÇA CLIMÁTICA É DESTRUÍDO

Mito da Mudança Climática é DESTRUÍDA com Cientistas Confirmando que a Atividade Solar é um Impulsionador Significativo do Clima na Terra


Os resultados de um recente estudo suíço, sugerem que as flutuações na atividade do Sol podem fornecer a introspecção às mudanças aparentes no clima do planeta Terra. O estudo revelou que a atividade atual do Sol deve diminuir ao longo do tempo, o que por sua vez pode levar a reduções ligeiras no aquecimento global nas próximas décadas. Segundo os pesquisadores, essas mudanças podem resultar em uma pequena diminuição da temperatura do planeta Terra. A pesquisa foi financiada pela Swiss National Science Foundation.


Uma equipe de pesquisadores criou um modelo de cálculo para determinar o impacto da atividade do Sol sobre as possíveis mudanças de temperatura no planeta ao longo do próximo século. A equipe incluiu os cientistas do Observatório Físico e Meteorológico de Davos (PMOD), ETH Zurique, Universidade de Berna e do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia Aquática da Suíça.

O modelo de cálculo mostrou que, embora a alta atividade solar foi registrada na década de 1950, a temperatura do planeta ainda é projetada para cair em até 0,5 graus Celsius, uma vez que a atividade do Sol diminua ao seu mínimo. A atividade solar, em outras palavras, poderia realmente causar o resfriamento global.

No entanto, o diretor do PMOD e líder do projeto, Werner Schmutz, disse que, embora esse declínio na temperatura planetária seria significativo, ele não vai neutralizar completamente o aquecimento global induzido pelo homem, em sua opinião. "Poderíamos ganhar um tempo valioso se a atividade solar diminuir, e diminuir um pouco o ritmo do aquecimento global. Isso não será mais do que o tempo emprestado, já que a próxima mínima será inevitavelmente seguido por uma máxima", afirmou Schmutz, conforme relatado no site AlphaGalileo.org.

Flutuações solares influenciam o clima da Terra, dizem especialistas

A equipe de pesquisa analisou o impacto da atividade solar sobre o clima passado do planeta, a fim de desenvolver um modelo de efeito climático eficiente. Os cientistas do PMOD calcularam a força radiativa do Sol. Fatores como radiação eletromagnética e de partículas foram contabilizadas no processo de cálculo. Os pesquisadores da ETH Zurique examinaram então o impacto da força radioativa sobre a atmosfera da Terra. Os cientistas da Universidade de Berna estudaram então como a atmosfera e os oceanos interagiam.

A equipe então presumiu uma flutuação de radiação mais proeminente atingindo a Terra. Comparado com os modelos anteriores, o novo pressuposto foi mais intenso no estado natural, observaram os pesquisadores. Avaliar os efeitos de outros fenômenos, como erupções vulcânicas, revela-se menos propício, de acordo com Schmutz. Usando o modelo atual "é a única maneira que podemos entender as flutuações naturais em nosso clima ao longo dos últimos milênios", disse Schmutz.


No entanto, o chefe do projeto apontou que os dados úteis sobre as flutuações solares foram disponibilizados apenas recentemente, e que as atividades do Sol nos anos seguintes ainda não foram examinadas. "Neste sentido, nossos resultados mais recentes ainda são uma hipótese. Mas desde que nós temos observado uma fase consistentemente forte desde 1950, é altamente provável que nós experimentaremos um outro ponto baixo em 50 a 100 anos. Poderia ser tão intenso quanto o mínimo de Maunder, o qual trouxe um clima particularmente frio durante o século 17", acrescentou Schmutz, acrescentando mais credibilidade à hipótese de "resfriamento global".

Dados adicionais sobre a atividade solar e as ligações do clima planetário

Uma equipe de pesquisa de mais de 100 especialistas em física solar, geomagnetismo, modelagem climática e química atmosférica, trabalharam juntos em 2011 para determinar os efeitos da atividade solar sobre o clima do planeta. Os pesquisadores examinaram os modelos climáticos atuais e encontraram certos mecanismos que demonstraram como as variações na atividade do Sol influenciam a variabilidade climática por região. Os cientistas não identificaram mecanismos que ligam a atividade solar ao início do aquecimento global.

No entanto, a equipe de pesquisa foi capaz de avaliar os efeitos das atividades solares em certas regiões do planeta. De acordo com o estudo, as variações na radiação ultravioleta podem desencadear mudanças estratosféricas perto do Equador e através das regiões polares. Os dados também revelaram que os ventos solares causam impacto no campo elétrico global do planeta. Isso, por sua vez, afeta a formação de aerossóis e de chuvas, disseram os pesquisadores.



-----

Se inscreva em nosso canal no YouTube 

e curta a nossa página no Facebook

Nenhum comentário: